0
0
0
s2sdefault
20.12.2016

Sucop mostra o saldo positivo de 2016

Nada melhor do que terminar um ano com a sensação do dever cumprido. Olhar para trás e perceber que todo esforço e dedicação valeram a pena. Esse é o sentimento de todos que colaboraram com as atividades desenvolvidas no ano de 2016 pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

O ano foi bastante satisfatório, destacando-se a recuperação de mais de 10 mil unidades habitacionais, dentro do programa Morar Melhor, um dos principais projetos da administração ACM Neto. Construção da avenida Dois de Julho, que liga Cajazeiras à BR-324; duplicação da rua Luiz Maria, na Baixa do Fiscal, recuperação do Parque da Cidade e requalificação da primeira e segunda etapas da orla do Rio Vemelho são outras importantes obras administradas pela autarquia nesse ano.

Com relação a contenção de encostas, a Superintendência de Obras Públicas executou nesse ano, 20 encostas, totalizando 41 durante os quatro anos de administração ACM Neto. Em destaque a rua Engenheiro Austricliano, conhecida como Ladeira do Cacau, que levou quatro anos interditada, sendo entregue ao público no primeiro semestre desse ano, totalmente recuperada. Já foram concluídas também as obras da encosta do Barro Branco, na avenida San Martin, atingida por um deslizamento de terra em 2015. Foram investidos nessa obra cerca de R$8 milhões.

No que se refere a requalificação de vias, a Sucop pavimentou 26 quilômetros de novas ruas, e recuperou 55 quilômetros de logradouros cujo piso se encontrava bastante desgastado. Dentre os logradouros que tiveram nova pavimentação, destacam-se, além da avenida Dois de Julho, a rua  Luiz Eduardo Magalhães, que liga a Paralela ao Km 17 e a avenida Suburbana.

A Sucop vem cumprindo a sua missão, executando obras importantes no município de Salvador e promovendo melhoria da qualidade de vida para centenas de cidadãos baianos. Merece destaque também, o projeto Cidade de Plástico, localizado no bairro de Periperi que prevê a construção de 10 prédios, totalizando 257 unidades habitacionais para os antigos moradores da comunidade Guerreira Zeferina. A obra custará em torno de R$17milhões, com previsão de conclusão para dezembro de 2017.

Não se pode deixar de falar no projeto de requalificação da Baixa Fria/São Marcos, que consistiu na construção de 230 habitações para pessoas carentes. Trata-se de projeto antigo – obra licitada em 2008 – que estava engavetado e que foi executado pela atual administração.

0
0
0
s2sdefault