Logo Prefeitura de Salvador

Reconstruída pela Prefeitura, Colônia do Rio Vermelho traz dignidade para pescadores e mais conforto à população

Valter Pontes

Um dos espaços mais tradicionais para trato e comercialização de pescado em Salvador, a Colônia de Pescadores do Rio Vermelho, situada ao lado da Vila Caramuru, no Largo da Mariquita, foi inaugurada nesta terça-feira (30) após a conclusão das obras de reconstrução realizadas pela Prefeitura. A nova estrutura foi entregue pelo prefeito Bruno Reis ao lado de lideranças do município, e vai proporcionar mais segurança e dignidade para os cerca de 60 trabalhadores que atuam no local, além de conforto para os clientes.

“Este era um sonho antigo da colônia do Largo da Mariquita, que está se tornando realidade hoje, às vésperas dos festejos de Iemanjá, onde vamos agradecer à Rainha do Mar. Os pescadores agora têm uma nova sede, garantindo que as mercadorias sejam vendidas sem nenhum prejuízo. Temos locais para armazenamento, onde eles podem guardar os seus objetos de trabalho em segurança. E temos, ainda, quiosques específicos para venda do pescado, trazendo conforto também para milhares de pessoas que vêm aqui diariamente para comprar os mais diversos produtos”, disse Bruno Reis.

Com investimento de R$720 mil, a intervenção teve projeto elaborado pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), ouvindo demandas dos próprios pescadores. Entre as novidades, o imóvel ganhou equipamentos adequados para abrigar os motores das embarcações e outros itens de trabalho. Além disso, ganhou área de convivência, já que a colônia é também um importante espaço de lazer para a comunidade.

Presidente da FMLF, Tânia Scofield disse que o diálogo com os pescadores foi essencial para o projeto: “Conversamos muito sobre o que era melhor para eles. Tanto, que eles tinham uma cozinha aqui, que era muito precária, e nós construímos uma nova cozinha por demanda deles. Temos também um espaço de bate-papo, bem sombreado e ventilado. Porque a colônia não é só um imóvel para guardar material, nos finais de semana as famílias vêm para cá, trabalhando ou curtindo, para conviver”, disse.

Também foram implantados quatro boxes com espaços para freezers, bancadas para o tratamento do pescado e balcões para comercialização. Ainda foram implantados sanitários masculino e feminino, inclusive adaptados para pessoas com deficiência. A obra priorizou o atendimento às normas de acessibilidade, que passaram a ter rampa de acesso à praia para as embarcações, e toda a área externa ganhou piso intertravado e placas de concreto. As intervenções foram executadas pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

Presidente da colônia, Almir Albergaria lembrou que os pescadores atuam há 40 anos no local, sempre mantendo o imóvel com recursos próprios. “Nunca tivemos ajuda de órgão nenhum, mas agora, graças a Deus, fomos atendidos pela Prefeitura. A colônia foi demolida e reconstruída do zero, com várias melhorias. Tínhamos duas peixarias aqui e negociamos para quatro, para oferecer mais trabalho para as pessoas”, afirmou.

“Essa colônia aqui não é só para vender peixe, ela é tipo uma instituição de recuperação de pessoas. A gente trabalha muito o lado social. A gente traz para cá pessoas que estão sem opção de vida, não têm profissão. Aqui, a gente ensina elas a pescar e a pessoa começa a tomar conta da vida dela, trabalhando como pescador”, completou Albergaria.

Antes, a tradicional Colônia de Pescadores do Rio Vermelho não atendia às exigências de salubridade, higiene e soluções de tratamento de esgoto e água, além de não contar com condições adequadas de armazenamento e comercialização do pescado. O lugar também sofria constantemente com os efeitos da maré, inclusive com inundação das instalações.

Paulo Sérgio de Jesus tem 51 anos e é pescador há 40. Ele comemorou a instalação dos boxes para venda de produtos. “Ficou uma coisa mais atraente, entendeu? Fica mais à vista do público que passa por aqui, representa melhor o nosso trabalho e a nossa cultura como pescador. Graças a Deus, a gente está sendo mais valorizado e reconhecido, né? Era o que a gente mais precisava nesse momento”, disse.

“Aqueles que pescam todos os dias no mar, muitas vezes ficam com uma dificuldade de escoar o pescado. E, agora, a gente está aqui com quatro boxes pra repassar diretamente para a mesa do cliente o produtos, o que é muito melhor”, completou Paulo Sérgio.

Prefeitura vistoria obras nos canteiros centrais do BRT e avalia implantação de parque na Mata Escura

Valter Pontes

O prefeito Bruno Reis, acompanhado de gestores municipais, realizou nesta quarta-feira (24) uma vistoria das obras de implantação comercial e urbanização das áreas livres dos terminais Cidadela e Hiper do BRT, na Avenida ACM, e avaliou a possibilidade de implantação de mais um parque para a preservação ambiental em Salvador, na Mata Escura, situado nas proximidades da Estrada das Barreiras.

Os primeiros pontos a serem visitados pela equipe foram as estações BRT Hiper e Cidadela para acompanhamento da requalificação dos canteiros centrais do modal. As áreas dessas duas estações passam por urbanização e terão ocupação comercial, visando a dinamização, ressignificação dos espaços públicos e geração de emprego e renda para quem mora no entorno.

“Vistoriamos hoje obras que estão ocorrendo nas estações do BRT. São equipamentos esportivos, equipamentos de ginástica, parques infantis, pista de skate e ampliação do número de espaços para atividades comerciais. Portanto, a Prefeitura está dando vida à parte debaixo dos elevados que foram implantados na região. Essas obras serão inauguradas juntamente com a última etapa do BRT, no dia 29 de março”, afirmou o prefeito.

Ele lembrou ainda que as áreas de lazer serão utilizadas pela comunidade da Baixa do Cacau, da Polêmica e de toda a região do entorno das estações. “Eu tenho certeza que vai trazer mais qualidade de vida. Com essas obras, a Prefeitura está possibilitando mais espaços para o cidadão utilizar, mais espaços para aproveitar e curtir a cidade”.

Projeto – As estações abrigarão novos centros comerciais, farmácias, padarias, mercearias, além de outros serviços de passagem, para atender demandas emergenciais de quem utiliza os serviços de transporte público onde estão inseridos. Além disso, estas áreas também vão ganhar equipamentos esportivos e praças.

O projeto da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF) prevê 1.340 m² de área comercial, paisagismo, campo com grama sintética e quadras esportivas, estrutura para futmesa, bicicletário, parque infantil e academia. Além disso, no local está sendo construída a maior pista de skate da cidade e, após as vistorias, será avaliada a implantação de uma quadra de futevôlei no local. O investimento estimado é de R$ 18 milhões.

“Aqui é um aproveitamento de toda a área situada embaixo do viaduto do BRT. Temos uma parte de esporte com todos os equipamentos de esporte: quadra de areia, campo, futmesa, parque infantil e uma grande área para o skate, até então com a maior pista de skate de Salvador. Além disso, aproveitamos o espaço para o comércio. Então serão duas grandes áreas de comércio aqui dentro que poderão ter drogaria, mercado, restaurante e todo o tipo de comércio, que vai atender a toda a demanda do entorno da Avenida ACM”, revelou a presidente da Fundação Mário Leal Ferreira, Tânia Scofield.

Parque – O segundo ponto de parada foi o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para discussão e avaliação do projeto de implantação do Parque do Vale da Mata Escura para a preservação de mais uma área verde da cidade e dos animais silvestres.

“Viemos nessa região da Mata Escura, Estrada das Barreiras e divisa com a BR-324 para a avaliação da implantação de um parque de 50 mil metros quadrados de preservação da Mata Atlântica, que será o Parque do Vale da Mata Escura. A intenção é proteger as áreas verdes da cidade. Além desse, temos outros dois em fase de elaboração de projeto: o Parque Socioambiental de Canabrava, cujas obras de estacionamento já foram iniciadas e o projeto de delimitação do entorno está sendo concluído, e o Parque de Ipitanga, com projeto já em fase de conclusão e em breve daremos início às obras”, contou.

Reportagem: Priscila Machado/ Secom

Obras de requalificação da Rua das Rosas seguem em ritmo acelerado

Lucas Moura

Com previsão de conclusão para o mês de março, a obra de requalificação urbana da Rua das Rosas, no bairro da Pituba, acelerou os trabalhos para evitar os impactos em virtude da proximidade da volta às aulas. Para tanto, a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) realizou o bloqueio de todo o logradouro até o dia 25 de fevereiro.

As intervenções previstas no projeto urbanístico abrangem três trechos, alcançando também vias transversais da Rua das Rosas, totalizando extensão de 780 metros. Os serviços de melhorias contemplam o realinhamento e colocação de novos meios-fios em granito, que possui extensa durabilidade, aumento da largura dos passeios, pavimentação adequada ao pedestre, criação de faixa de serviço em pedra portuguesa, rampas de pedestres, piso tátil, iluminação pública em LED, adequação da rede de drenagem e instalação de lixeiras e balizadores.

Com execução pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop), vinculada à Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), outras obras de requalificação urbana estão em andamento na cidade, a exemplo de seis ruas no Engenho Velho de Brotas, Rua Almirante Tamandaré (Paripe), Avenida Jorge Amado (Boca do Rio) e Rua Silveira Martins (Cabula).

Texto: Ascom/Sucop

Lobato é a primeira localidade a ganhar campo com grama sintética pela Prefeitura em 2024

Betto Jr.

Os moradores do Lobato vão começar 2024 com um novo equipamento esportivo com grama sintética, construído pela Prefeitura de Salvador. O Campo dos Unidos, situado na Rua Voluntários da Pátria, foi entregue neste sábado (6) com as presenças do prefeito Bruno Reis e do secretário de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre), Júnior Magalhães, demais gestores municipais e população. Este é o primeiro campo inaugurado pela administração municipal este ano e o 32º com gramado sintético.

O local também recebeu alambrados, piso, traves, proteção, pintura e iluminação em LED. A obra foi realizada em conjunto com a Superintendência de Obras Públicas de Salvador (Sucop) e a Diretoria de Iluminação Pública (Dsip), vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). O investimento total foi de cerca de R$300 mil.

No discurso, o prefeito Bruno Reis destacou que já foram construídos ou reconstruídos, pela administração municipal, mais de 700 campos e quadras em Salvador nestes últimos anos. “Como é natural do ser humano, as expectativas vão aumentando e, hoje, as pessoas não querem o campo só com alambrado, vestiário e iluminação em LED, mas também com a grama sintética. Essa é a realidade das comunidades e, além dos 33 campos deste tipo já entregues, outros 30 estão em execução e, até o fim deste ano, a nossa meta é chegar a 100 campos com grama sintética por toda a cidade”, declarou o chefe do Executivo municipal, que aproveitou para anunciar que o programa Morar Melhor, de reforma de casas em situação precária, deverá retornar ao Lobato ainda neste mês de janeiro.

“Iniciamos o ano cumprindo a promessa de dar continuidade às políticas públicas voltadas ao esporte que vão além do entretenimento, que envolve disciplina e transforma a vida das pessoas. Isso nos permite, dessa forma, reafirmar o compromisso da Prefeitura em distribuir em toda a cidade, em especial nas comunidades vulneráveis, equipamentos de lazer, como forma de inclusão social, fortalecimento de vínculos comunitários e combate à violência”, frisou Júnior Magalhães.

Transformação – Professor de uma escolinha de futebol do bairro, o auxiliar de cozinha Rodrigo Rodrigues, 32 anos, declarou que o novo Campo dos Unidos vai ajudar bastante no desenvolvimento do projeto, que visa dar oportunidade a 40 jovens atendidos hoje para que sigam a carreira esportiva. “Antigamente o campo aqui era de barro, tinha pedra, sem estrutura direito. Hoje estamos agradecidos e muito satisfeitos com essa entrega, um campo bonito, sintético, que nem todos os lugares têm ainda. A felicidade desses jovens agora é essa: acordar cedo para vir aqui jogar”, relatou.

Também morador do Lobato desde a infância, o mototaxista Diego Oliveira, de 30 anos, disse que o novo equipamento esportivo vai trazer grandes mudanças para a localidade. “Querendo ou não, as crianças não vão ficar no meio da rua, um carro poderia pegar e acontecer um acidente. Agora procuram um esporte, principalmente depois que montaram uma escolinha de futebol. Vai agregar tanto para as crianças quanto para os adultos, que terão uma diversão melhor”, avaliou.

O chefe de cozinha Luiz Cristiano Braga, de 52 anos, disse que nunca tinha visto uma estrutura deste porte ser instalada no bairro em três décadas como residente no local. “É uma ação de muita importância. Meus netos agora estão brincando em um campo de primeiro mundo. A nossa comunidade fica reconhecida, muda a visão do bairro e tira o ar de que a comunidade pobre da Suburbana não tem vez”.

Nova ligação viária inaugurada pela Prefeitura reduz tempo de deslocamento entre Imbuí e Boca do Rio

Betto Jr.

A Prefeitura de Salvador entregou nesta sexta-feira (5) a nova Rua Valmar Hupsel, que faz a ligação entre a Estrada do Curralinho, na Boca do Rio, e a Rua dos Colibris, no Imbuí. O prefeito Bruno Reis esteve presente na inauguração da obra, que vai trazer para pedestres e motoristas mais qualidade de vida, reduzindo o tempo de deslocamento entre os bairros, que são vizinhos, e a outras regiões da capital baiana.  As intervenções foram executadas pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

A nova via possui 578 metros de extensão e tráfego em mão dupla, além de pavimentação em asfalto, sistema de drenagem, passeio, meio-fio e iluminação em LED. Agora, quem estiver na Rua dos Colibris poderá acessar diretamente o Curralinho e de lá seguir para Stiep, Salvador Shopping ou Armação mais rapidamente. No sentido contrário, pode-se chegar mais facilmente à Avenida Jorge Amado, orla e adjacências.

Bruno Reis lembrou que esta é mais uma de várias obras de mobilidade feitas na região. “Quem mora aqui sabe a dificuldade que era acessar o novo centro comercial da cidade, em especial a região do Shopping Salvador e a Av. Tancredo Neves, onde diversos serviços e escritórios funcionam. Na nossa gestão, iniciamos um processo para melhorar a mobilidade de toda esta região. Ampliamos onde era possível a Estrada do Curralinho, fizemos a Rua Granja Marazul, que é uma nova via, e fizemos toda a requalificação da Rodolpho Coelho Cavalcante e agora já pode ser implantado um binário de trânsito”, lembrou.

Como destacou o secretário de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), Luiz Carlos de Souza, quem quisesse sair da Rua dos Colibris para a Estrada do Curralinho teria que passar pelas ruas das Araras, Gaivotas e Albatroz ou pela Jayme Sapolnik. Com isso, gastava-se ao menos três vezes mais tempo.

“Com essa nova via, a gente desafoga o trânsito. Outro exemplo: quem queria ir à orla da cidade teria que dar uma volta grande e acabava também sobrecarregando a Jorge Amado. Agora, quem vem ali da região do Cabula vai poder acessar aqui Stiep, Armação e a orla sem ter que dar uma volta grande ou pegar a Jorge Amado. Tudo isso diminui o tempo de deslocamento das pessoas, dando mais qualidade de vida”, completou Luiz Carlos.

O comerciante Adalto Guimarães Souza, de 44 anos, é morador da Boca do Rio e aprovou a nova via: “Vai beneficiar não só os nossos bairros como os das redondezas, como Stiep, Costa Azul e Armação. Antes era uma dificuldade, porque tinha que dar uma volta grande para chegar. Agora vai diminuir o tempo, menos fluxo de carro também, porque vai ser uma ligação direta”, afirmou.

Obras na região – Como destacou Bruno Reis em seu discurso, a Prefeitura de Salvador tem em andamento outras obras de mobilidade na região do Imbuí, da Boca do Rio e do Stiep. Nesse perímetro, a administração municipal prossegue com obras da Estrada do Curralinho, que abrange mais de 1km de extensão, incluindo 20 novos espaços de lava-jato, além de campo com grama sintética, quadra e uma nova praça.

Também passa por requalificação a Avenida Jorge Amado, principal via de ligação entre o Imbuí e a orla da Boca do Rio. O projeto envolve a duplicação de parte da avenida, entre a saída da Rua das Araras e o cruzamento com a Rua Santo Antônio, num trecho que abrange cerca de 1km de extensão. Esse trajeto passará a ter duas faixas em cada sentido, ganhando canteiros com paisagismo e retornos.

O prefeito lembrou que as obras não são apenas de infraestrutura. “Desde o início da Av. Tancredo Neves, onde nós entregamos a Casa da Mulher Brasileira. Passando pelo Parque dos Dinossauros e pela construção da escola que vamos inaugurar em parceria com a Associação dos Amigos dos Autistas, onde nós vamos ter condições de atender 1 mil crianças. Tem ainda o novo CRAS Modelo que está sendo feito aqui na região”, citou.

A Rua Valmar Hupsel foi batizada em homenagem ao ex-presidente da Associação Baiana da Indústria de Hotéis (ABIH) e empresário do trade turístico de Salvador. A solicitação para que o nome fosse escolhido foi feita por meio do Conselho Baiano de Turismo.

Prefeitura inaugura nova via para ampliar mobilidade entre Av. Bonocô e Cabula e melhorar tráfego na Rótula do Abacaxi

Valter Pontes

A Prefeitura de Salvador entregou nesta quinta-feira (4) uma nova ligação viária que vai ampliar a mobilidade de motoristas que trafegam pela Avenida Mário Leal Ferreira (Bonocô) no sentido Cabula. A obra foi inaugurada pelo prefeito Bruno Reis e integra um conjunto de três intervenções projetadas para solucionar conflitos de trânsito na região da Rótula do Abacaxi.

Com investimento de R$3,5 milhões, a ligação viária está localizada entre a Bonocô (já na Alameda do Bosque) e o Acesso Norte. “Esta obra permite que quem esteja na Bonocô possa ir diretamente para a BR-324 ou ao Cabula, Pernambués e parte alta de Saramandaia. Antes, muitos veículos tinham que passar pelas vias do entorno do Shopping Bela Vista. E, com a chegada da loja Leroy Merlin, houve um aumento da demanda no trânsito para esta área. Embora essa intervenção não tenha extensão muito grande, é uma importantíssima solução de tráfego”, explicou Bruno Reis.

O chefe do Executivo municipal acrescentou que pela região passam diariamente 30% da frota de veículos de Salvador e listou as diversas iniciativas na área de mobilidade empregadas pela gestão para acabar com gargalos de trânsito existentes, como o BRT e o projeto da Nova Tancredo Neves.

Ainda no entorno da Rótula do Abacaxi, Bruno Reis afirmou que, em breve, a Prefeitura construirá uma alça no viaduto que liga a Via Expressa à BR-324, além de outras ações para melhorar o tráfego no acesso à Avenida Luís Eduardo Magalhães e entroncamento com São Gonçalo do Retiro.

A construção da nova pista que liga Bonocô ao Cabula foi executada pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra) em conjunto a Superintendência de Obras Públicas do Salvador (Sucop) que envolveu serviços como contenção em solo grampeado, pavimentação asfáltica, passeio em concreto, meio-fio, drenagem e iluminação em LED. O projeto também teve apoio da Secretaria de Mobilidade (Semob).

“Essa via fará com que a população gaste menos tempo no trânsito, impactando na qualidade de vida e dando, inclusive, a chance dos motoristas que quiserem ir para a Avenida Heitor Dias evitarem o trânsito da Rótula do Abacaxi”, avaliou o titular da Seinfra, Luiz Carlos de Souza.

Valter Pontes

Obras complementares – A Prefeitura prossegue com mais duas obras idealizadas para ampliar o tráfego na região da Rótula do Abacaxi. Uma delas é a construção de uma via para os motoristas oriundos das regiões do Cabula, Pernambués e Bela Vista para acesso às avenidas ACM e Bonocô. Atualmente, quem deseja seguir por este trajeto precisa pegar um retorno existente em frente à estação de transbordo do Acesso Norte. Por causa de um entrecruzamento de fluxos, há retenções.

A obra consiste em trecho viário com extensão aproximada de 750 metros, tendo passagem subterrânea sob a Rua dos Rodoviários (Ladeira do Cabula), seguido de um trecho em viaduto sobre a BR-324, finalizando com uma bifurcação.

A outra iniciativa prevista para a região da Rótula do Abacaxi abrange a construção de uma alça de ligação viária com extensão aproximada de 260 metros entre o Viaduto da avenida Barros Reis e o acesso à Bonocô.

Essa solução, por sua vez, promoverá uma redução do volume de tráfego no nível inferior da Rótula do Abacaxi, já que o fluxo com origem na Barros Reis poderá ser pela Bonocô através desta nova derivação do viaduto existente, o que possibilitará que o retorno abaixo da Via Expressa seja eliminado, juntamente com os dois semáforos associados a ele no início da Heitor Dias.

Prefeitura inicia requalificação da Rua Almirante Tamandaré, em Paripe, que terá mais mobilidade e novos espaços de lazer

A Prefeitura de Salvador deu início à requalificação urbano-ambiental da Rua Almirante Tamandaré, principal base de tráfego de Paripe. A obra envolverá a reforma de praças, substituição de pavimentação e criação de espaços compartilhados, sistema de drenagem, além de ampliação de passeios e novos pontos de ônibus. A ordem de serviço para a intervenção foi assinada pelo prefeito Bruno Reis nesta sexta-feira (22).

O projeto alcançará 1,5 km de extensão da via, entre a Praça João Martins e o cruzamento com a Rua Almirante Mourão de Sá. O prefeito destacou que a iniciativa ocorre após ampla discussão com a comunidade local através de oficinas participativas e ressaltou as mudanças que ocorrerão com as obras.

“Essa é uma rua estruturante daqui de Paripe, sendo também a mais importante do bairro, concentrando comércios, residências e grande circulação de veículos e pedestres. Por isso, vamos realizar uma verdadeira transformação para melhorar a mobilidade. Aqui haverá piso intertravado e granito em meio-fio, assim como iluminação em LED, parque infantil e academia de ginástica para o pessoal da terceira idade. A obra terá um investimento de R$16 milhões. Um presente que a Prefeitura anuncia às vésperas de Natal para o Subúrbio de Salvador”, destacou.

O projeto urbanístico foi elaborado pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), e os serviços serão executados pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop) num prazo de 10 meses. “Quem passa pela Rua Almirante Tamandaré hoje vê o quanto ela é conflituosa. O fluxo de carros e de pessoas é muito grande. Então, o que nós estamos buscando com essa intervenção é melhorias para a mobilidade da via, seja para o veículo, seja para o transporte público ou para o pedestre”, definiu a presidente da FMLF, Tânia Scofield.

Melhorias – A requalificação urbana da Almirante Tamandaré ocorrerá simultaneamente em quatro trechos. No primeiro, que corresponde à área entre a Praça João Martins e a Travessa Pará, será criada uma alameda com passeios mais largos, jardins arborizados e espaço com barracas para comércio de ambulantes. Na extensão correspondente à interseção da Rua Almirante Tamandaré e a Avenida Afrânio Peixoto será feito um redesenho viário para melhoria do fluxo do tráfego, atendendo uma demanda da comunidade.

No trecho 2, que vai da Travessa Pará até a Rua Paraná, a intervenção propõe a requalificação de uma praça com a colocação de espaço infantil, mesas de jogos e jardim. Na Rua Córdoba, adjacente a este espaço, e na Rua Munique está prevista colocação de piso intertravado para criação de espaço compartilhado, garantindo inclusive a segurança e a possibilidade de retorno para quem se dirige à Rua 8 de dezembro.

Já no trecho 3, da Rua Paraná até a Rua de Deus, haverá academia ao ar livre com acessibilidade, bancos e áreas verdes, enquanto que no trecho 4, que abrange a Rua de Deus até a Rua Almirante Mourão de Sá, será implantado um espaço de lazer com parque infantil, pergolado com mesas para jogos, jardins com bancos, baia com abrigo para ônibus e paraciclo. Também está prevista uma área para a instalação de pequeno comércio de alimentos com barracas padronizadas.

Mobilidade – Para garantir mais acessibilidade e mobilidade para a população, a obra de requalificação da Almirante Tamandaré trará para a via a inclusão de ciclofaixa, estacionamentos para carros e vagas para carga e descarga, faixas de pedestres, assim como ampliação dos passeios com rampas para PCD, além da mudança da pavimentação nos cruzamentos, garantindo assim a segurança no trânsito com a redução de velocidade.

Também será criado um binário composto pelas ruas Almirante Tamandaré e a da Bélgica, mantendo o fluxo nas duas direções apenas para os ônibus. Os carros que se deslocarem pela Almirante Tamandaré passarão a trafegar em sentido único da Rua Eduardo Dotto para a BA-528. Já o trânsito para esses veículos na Rua da Bélgica terá sentido inverso (BA-528 à Rua Eduardo Dotto).

Outra novidade é que o terminal de ônibus localizado na Escola de Menor passará a funcionar na Rua Almirante Mourão de Sá.

Com intuito de qualificar o espaço urbano, a Prefeitura também implantará jardins, revisão de toda a drenagem existente, vala técnica para atender às empresas de telecomunicações e contentores de lixos.

Casa da Mulher Brasileira reúne delegacia e serviços especializados para o público feminino

Betto Jr.

Criada para fortalecer o combate à violência contra as mulheres na capital baiana, a Casa da Mulher Brasileira foi entregue pela Prefeitura de Salvador nesta terça-feira (19). A inauguração do equipamento, localizado na Avenida Tancredo Neves, ao lado do Hospital Sarah, contou com as presenças do prefeito Bruno Reis, da ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, da vice-prefeita e secretária municipal da Saúde, Ana Paula Matos, da secretária municipal de Política para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), Fernanda Lordêlo, entre outras autoridades.

A estrutura é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de Salvador e o Governo Federal, que lançou o projeto da Casa da Mulher Brasileira no país. O equipamento é o primeiro do tipo construído na Bahia e reúne em um único local serviços especializados de órgãos vinculados à rede de proteção. O espaço, que funcionará 24 horas por dia, durante toda a semana, vai oferecer às assistidas acolhimento e apoio psicossocial através de uma equipe multidisciplinar que prestará atendimento continuado, promovendo resgate da autoestima, autonomia e cidadania.

O prefeito Bruno Reis destacou que o espaço é mais um avanço municipal no combate à violência contra as mulheres. “Um equipamento que vai oferecer atendimento humanizado e unificado, que é o grande diferencial desta casa, construída num local privilegiado, num terreno de 10 mil metros quadrados que o Governo Federal cedeu à Prefeitura. Antes, as mulheres tinham que ir a diversos bairros para procurar ajuda, pois a delegacia ficava num local, a Defensoria em outro. Acabou isso. Agora, a mulher chegará aqui e terá proteção, carinho e cuidado. Mas, principalmente, a certeza de que o crime não ficará impune”, discursou.

“Hoje é um dia histórico para Salvador. Em nossa cidade, a maioria das mulheres que são vítimas de violência são negras. Portanto, elas são duplamente vulneráveis socialmente. E é justamente por isso que, desde o dia em que assumi a Prefeitura, o combate à violência contra a mulher é uma prioridade em nossa gestão. Implantamos o núcleo de enfrentamento ao feminicídio, ampliamos e reforçamos as nossas casas de atendimento às mulheres. Diversas campanhas foram realizadas, inclusive direcionando cursos profissionalizantes para empoderar a mulher através do trabalho. Cerca de 40% das nossas secretarias, fundações e empresas públicas são administradas por mulheres”, completou Bruno.

Betto Jr

O investimento na Casa da Mulher Brasileira foi de R$15 milhões, divididos entre o Governo Federal, que cedeu o terreno, e a Prefeitura de Salvador. As obras foram realizadas pela Superintendência de Obras Públicas do Salvador (Sucop) e o espaço será administrado pela Secretaria Municipal de Política para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ).

Fernanda Lordêlo destacou que a Casa conta com dez serviços de atendimento especializados. “A importância da Casa é exatamente o tratamento humanizado e acolhedor para todas as mulheres em situação de violência da cidade de Salvador. É um equipamento que conta com serviço de psicossocial, com delegacia especializada, Tribunal de Justiça, Ministério Público e Defensoria Pública, todos no mesmo espaço, fazendo com que essa mulher não precise se deslocar, em bater de porta em porta para ter um acolhimento integral e a sua proteção devidamente garantida”, afirmou Fernanda Lordêlo.

Estrutura – A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, destacou a estrutura do equipamento. “Para que, quando a mulher chegue, ela possa ser atendida de uma forma integral, com todos os serviços, sem precisar fazer a rota crítica que é passar de lugar em lugar pedindo ajuda. É importante dizer que é uma estrutura bonita, leve, uma arquitetura pensada para que as mulheres que sofrem violência se sintam acolhidas aqui dentro, se sintam bem vindas, se sintam prestigiadas”, afirmou.

“Essa é uma conquista de um processo de lutas do movimento de mulheres que vem de muitos anos. É importante reconhecer que esse é resultado de um processo histórico, que é pautado pelo movimento de mulheres. Nós precisamos cuidar das pessoas deste país e precisamos cuidar das mulheres, fazê-las viver”, completou Cida Gonçalves.

A estrutura abriga delegacia especializada, unidade da Polícia Civil para a prevenção, proteção e investigação dos crimes de violência doméstica e sexual. Além disso, conta com Promotoria de Justiça especializada para promover ação penal nos crimes de violência contra as mulheres, atuando também na fiscalização dos serviços da rede de atendimento.

A Casa também possui núcleo especializado da Defensoria Pública para prestar assistência jurídica e acompanhamento de todas as etapas do processo judicial, de natureza cível ou criminal, bem como Juizado de Violência Doméstica, que é responsável por processar, julgar e executar as causas resultantes de violência doméstica e familiar, conforme previsto na Lei Maria da Penha.

Outro serviço disponibilizado é o alojamento de passagem, que poderá abrigar mulheres em situação de violência pelo período de curta duração (até 48h), acompanhadas ou não de seus filhos, que corram risco iminente de morte. Há ainda uma brinquedoteca para crianças de 0 a 12 anos de idade que estejam acompanhando as atendidas, central de transporte que possibilitará deslocamento das assistidas à Casa e rede socioassistencial para inclusão em programas dos governos federal, estadual e municipal.

Além disso, as mulheres serão incentivadas a participar de cursos para alcançar a autonomia financeira, já que muitas delas dependem financeiramente do agressor.

Centros – A Casa da Mulher Brasileira se somará a três equipamentos municipais de apoio à mulher em situação de violência, geridos pela SPMJ. São eles o Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares (CRLV), nos Barris; o Centro de Referência Especializado de Atendimento à Mulher Arlette Magalhães (Cream), em Fazenda Grande II; e o Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce (Camsid), na Ribeira.Salvador ganha 1ª Casa da Mulher Brasileira da Bahia; local reúne delegacia e serviços especializados para o público feminino.

Fonte: Agência de Notícias

Mercado Modelo ganha mais conforto e acessibilidade e terá galeria de arte no subsolo

Lucas Moura

O Mercado Modelo, um dos principais cartões-postais de Salvador, teve as obras de requalificação e restauração concluídas pela Prefeitura. As intervenções foram entregues pelo prefeito Bruno Reis nesta segunda-feira (18) e proporcionaram instalações com mais conforto e acessibilidade para a população, além de mais segurança aos 258 permissionários que atuam no local. O investimento foi de R$ 17 milhões. As intervenções foram executadas pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

Com 111 anos de história, o equipamento teve obras que contemplaram a mudança total da cobertura em telhas de cerâmica e vidro, além de telha de cobre na rotunda, melhorias e impermeabilização do piso em madeira das varandas, assim como pintura e recomposição das esquadrias. Foi construída ainda uma nova rede de energia elétrica com subestação própria, sistema hidráulico e contra incêndio.

“Hoje é um dia histórico. Depois que o mercado pegou fogo e foi reconstruído, sem sombra de dúvidas, essa é a maior intervenção já realizada aqui. Foram investidos R$17 milhões na sua restauração. É uma reforma completa. Estamos entregando hoje um novo mercado. Estamos investindo mais de R$3,5 milhões em uma galeria que valoriza artistas da nova geração da nossa cidade e que será mais um atrativo do mercado”, ressaltou o prefeito.

“Esse mercado tem 111 anos de existência. Por aqui já passaram personalidades marcantes do Brasil e do mundo. É um dos cartões postais da nossa cidade. Faz parte do nosso patrimônio arquitetônico e que hoje está todo restaurado, reformado. Mexemos na parte hidráulica, na parte elétrica, na parte da fundação. Fizemos uma obra completa, trocamos todo o tenhado”, acrescentou Bruno Reis.

Coordenado pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), o projeto manteve as características originais do imóvel e foi amplamente discutido entre permissionários do mercado e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) – o órgão fez o tombamento do espaço há mais de 50 anos. Para minimizar os transtornos, a Prefeitura realizou as obras de forma faseada, realocando comerciantes para uma estrutura anexa ao mercado.

Galeria no subsolo – A Prefeitura recompôs o acesso ao subsolo e restaurou toda a estrutura das arcadas em pedra, implantando um sistema de renovação do ar e criando ilhas de conforto climatizadas. A ideia foi trazer para o público a oportunidade de conhecer a beleza e grandiosidade do pavimento.

Para a área, a Secretaria de Cultura e Turismo (Secult) montará em janeiro uma galeria com peças dos artistas baianos Rubem Valentim, Mario Cravo Jr. e Vinícius S.A que marcará a reabertura do subsolo, desativado há mais de 10 anos. O projeto foi pensado como um local de preservação do Mercado Modelo, destacando personagens de importância para sua história, como Camafeu de Oxóssi, Mãe Menininha do Gantois e Mestre Caiçara.

O secretário de Cultura e Turismo, Pedro Tourinho, destacou que a nova galeria implantada no subsolo do equipamento será um novo ponto turístico dentro de um dos principais cartões postais da cidade. “Há alguns meses, estive com o prefeito para fazer uma vistoria e ele nos provocou em relação ao subsolo do mercado. Tivemos que esperar a obra ser entregue para começar a preparar, mas em poucas semanas teremos aberto aqui no mercado modelo uma galeria de arte. Esse equipamento vai ser sem dúvida um novo ponto turístico dentro de um ponto turístico”, afirmou.

O secretário ressaltou que a entrega da requalificação do equipamento ocorre em um momento de crescimento do turismo de Salvador. “A história da cidade se confunde com a história do mercado. É uma jóia do turismo. É um dos pontos turísticos mais importantes do Brasil. E Salvador tem um momento de turismo histórico. Tivemos nesses últimos 11 meses, a maior taxa de ocupação operada nos últimos 10 anos. Temos turistas vindo de todo o país pra cá, de todo o mundo. Ou seja, o mercado modelo pronto, funcionando, é a festa que faltava para Salvador se consolidar cada vez mais como a capital do turismo e da cultura desse país”, salientou.

Investimentos – As obras contaram com recursos do governo federal, que foi representado na entrega pelo diretor diretor do Departamento de Projetos e de Políticas de Direitos Coletivos e Difusos (DPPDD) do Ministério da Justiça, Tomaz Miranda. “O Mercado Modelo é entendido pelo governo federal como um lugar de importância primordial para a Bahia, para Salvador e para o Brasil. Dizem que patrimônio histórico é memória, e memória é importante para entender o passado e saber pra onde a gente quer ir no futuro”, disse ele, que representou na entrega o ministro da Justiça, Flávio Dino.

A presidente da Associação dos Comerciantes do Mercado Modelo (Ascomm), Analu Garrido, comemorou a requalificação do espaço. “O Mercado Modelo estava doente, estava com o seu telhado todo deteriorado, a parte elétrica e hidráulica toda danificada, o nosso subsolo há mais de dez anos que estava fechado. Graças a Deus a Prefeitura teve essa sensibilidade de devolver a saúde para o Mercado Modelo. O mercado agora está lindo, maravilhoso. O ícone do turismo baiano está de volta”, celebrou.

O secretário de Infraestrutura e Obras Públicas, Luiz Carlos de Souza, ressaltou que a requalificação garante mais conforto e segurança para soteropolitanos e turistas. “Além da questão da comercialização, do entretenimento, aqui tem a parte cultural e histórica de uma cidade. Por isso, é fundamental para a cidade que acontecesse essa requalificação, para o conforto dos turistas, para melhor desempenho econômico dos permissionários”, disse.

Outras melhorias – O mercado também ganhou rampas de acessibilidade para deslocamento de pessoas com dificuldades de locomoção, além de um elevador. Há ainda espaços de serviço, composto por recepção, local de controle de acesso à área expositiva do subsolo, posto de informações para os visitantes tanto sobre a própria estrutura (localização de lojas, por exemplo) quanto sobre o turismo em Salvador de forma geral.

Foram implantados ainda mais sanitários, inclusive para pessoas com deficiência.
No mezanino 1, também no térreo, foi criada uma estação de trabalho para dar suporte à administração do Mercado Modelo. O andar abriga uma sala de reunião, salas da Guarda Municipal e da Brigada de Incêndio.

Telas – Os 20 painéis que compõem as fachadas laterais do Mercado Modelo foram totalmente restaurados. O trabalho de revitalização, promovido pela Fundação Gregório de Matos (FGM), deu nova roupagem às pinturas que retratam temas diversos da cultura baiana, como a Lavagem do Bonfim, Festa de Yemanjá, Elevador Lacerda, puxada de rede, orixás e roda de capoeira, com destaque à obra de Jayme Figura, falecido recentemente, que retrata uma cena da Paixão de Cristo.

As telas foram encomendadas a artistas baianos, no ano 2000 e, em função da ação do tempo, necessitavam de melhorias.

Prefeitura inicia requalificação do Elevador Lacerda

Foto: Lucas Moura/ Secom PMS

Cartão-postal de Salvador e um dos meios de transporte mais emblemáticos da cidade, o Elevador Lacerda passará por obras de restauração e requalificação promovidas pela Prefeitura. O prefeito Bruno Reis assinou nesta quarta-feira (13) a ordem de serviço para o início das intervenções, cujo principal objetivo é resgatar características originais do equipamento, que vai oferecer mais conforto para os cerca de 22 mil usuários diários que o utilizam para se deslocar entre as Cidades Alta e Baixa.

O projeto, elaborado pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), prevê melhorias estruturais nos saguões que abrigam as quatro cabines dos elevadores, abrangendo desde implantação de sistema de climatização até nova pintura, iluminação, revestimentos das paredes e do piso, assim como soluções para otimizar o fluxo de passageiros. Além disso, toda a parte elétrica e mecânica do ascensor passará por manutenção.

Durante o evento de assinatura da ordem de serviço para as obras do Elevador Lacerda, os Correios lançaram o selo em homenagem aos 150 anos do monumento turístico que simboliza a importância da mobilidade urbana, assim como a riqueza cultural da capital baiana.

A emissão traz a fotografia panorâmica do Elevador Lacerda capturada do alto da cidade. Para formar a imagem, foi usado um se-tenant, isto é, quando selos diferentes unidos entre si intencionalmente formam um conjunto. O método traz o simbolismo de unir em dois selos a Cidade Alta e a Cidade Baixa, conectadas pela estrutura monumental.

“Esse talvez seja um dos principais símbolos da nossa cidade. O Elevador Lacerda completou 150 anos de existência no último dia 8 de dezembro e terá sua história ainda mais preservada. A Prefeitura vai investir R$11 milhões, em recursos próprios, em toda a restauração e recuperação do equipamento. Serão colocadas cabines climatizadas, mais modernas e mais ágeis para facilitar o deslocamento da população”, destacou Bruno Reis.

“A obra terá prazo de 10 meses, e a gente já começa as intervenções agora. Em alguns momentos, iremos alternar o funcionamento dos elevadores existentes. Caso seja necessário interditá-los, faremos que isso aconteça no menor tempo possível”, acrescentou.

Uma das novidades previstas no projeto será a liberação das varandas situadas nos espaços laterais do acesso da Cidade Alta, na Praça Municipal. Para isso, a sorveteria A Cubana, instalada no Elevador Lacerda desde o final da década de 1930 e que ainda hoje é uma referência ligada ao monumento, será realocada para o hall de acesso onde atualmente funciona o Centro de Informações ao Turista.  

Isso permitirá resgatar o caráter original de varanda aberta dos espaços laterais, ao mesmo tempo em que vai melhorar o fluxo de movimento dos usuários do elevador. Além disso, a Prefeitura também criará bilheterias próximas às entradas, tanto na Praça Municipal quanto no Comércio, onde os passageiros poderão fazer o pagamento da tarifa para embarcar no elevador. A ideia é evitar a formação de filas longas nas catracas, sobretudo nos horários de pico e em períodos de alta demanda.  

“Haverá um sistema de bilhetagem moderno que permitirá a utilização de outros meios de pagamento, inclusive o Salvador Card. Tudo isso para facilitar a vida das pessoas e modernizar realmente o equipamento”, explicou o secretário de Mobilidade (Semob), Fabrizzio Muller. Ele pontuou que não há previsão de aumento da tarifa após a conclusão das obras. O Elevador Lacerda transporta mais de 20 mil pessoas diariamente, e o valor da taxa de embarque é de R$0,15.

Infraestrutura – O projeto de restauração e requalificação do Elevador Lacerda envolverá ainda a atualização técnica da infraestrutura (ar-condicionado, elétrica, sistema de segurança e contra incêndio, entre outros), associada a um tratamento estético que reduza ao máximo o impacto visual e do espaço interno do ascensor.  

Dessa forma, os forros do teto serão substituídos por soluções técnicas de menor interferência, enquanto os revestimentos terão materiais de alta resistência e durabilidade. O piso das estações será em granito marrom antiderrapante.    

Já o saguão da estação Cidade Baixa terá novas clarabóias e paredes revestidas parcialmente com painéis em azulejos artesanais na cor branco. No passadiço e estação da Cidade Alta do elevador, as paredes receberão pintura acrílica na cor bege claro, além de esquadrias substituídas por um novo sistema que faz referência às composições originais de 1930, porém, agora com caixilhos de alumínio com pintura branca e venezianas móveis de vidro, que poderão ser abertas para permitir a ventilação natural.    

O nome “Lacerda”, existente desde 1930 no topo da fachada do edifício voltado para a Praça Municipal, será restaurado e adequadamente iluminado. Na Cidade Baixa, por sua vez, serão criados novos gradis metálicos sobre as três portas de acesso, com as palavras “Entrada”, “Lacerda” e “Saída”.

Esses gradis adotam uma linguagem leve que faz referência aos mesmos materiais instalados em 1930, apresentando uma tipografia que emula aquela utilizada na arquitetura déco. Todas as intervenções estruturais serão executadas pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

“O que a Prefeitura está fazendo, na verdade, é recuperar características e arquitetura originais do elevador, quando ele foi ampliado em 1930. Tivemos que fazer um estudo da história deste monumento, analisar como ele foi pensado. Nos debruçamos sobre todas as documentações desde a construção de 1873 até hoje. Fizemos um estudo detalhado de toda a história do Lacerda para poder traçar o melhor projeto”, declarou Tânia Scofield, presidente da FMLF.

História – Com 150 anos de existência, o Elevador Lacerda possui 72 metros de altura e chega a transportar passageiros num percurso que dura cerca de 20 segundos. O equipamento foi inaugurado em 8 de dezembro de 1873, dia da padroeira da Bahia, Nossa Senhora da Conceição – por esse motivo, inicialmente ele era chamado de Elevador Hidráulico da Conceição.  

Foi o primeiro elevador público e também o mais alto do mundo. Inicialmente, ele funcionava por um sistema hidráulico. Em 1896, passou a ser chamado oficialmente de Elevador Lacerda, em homenagem ao seu idealizador, Antônio Lacerda, sendo eletrificado em 1906.  

Essas e outras mudanças foram introduzidas ao longo de sua história após cinco grandes reformas e revisões. Em 1930, o ascensor passou por uma modernização para a ampliação da altura (de 63 metros para os atuais 72 metros), ganhando uma nova torre e incremento do número de cabines, seguindo um padrão arquitetônico de art déco.  

O Elevador Lacerda é patrimônio histórico tombado pelo Iphan desde 2006.

Fonte: Agência de Notícias

© 2022 Copyright: Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SEMIT)
Skip to content